09 novembro 2013

Capítulo 6- A Thousand Years| 2° temp.- SeuNome e Harry


deixem carregando, quando eu dizer "PLAY" deixem a música rolar. (Story Of My Life-1D)

SeuNome Pov's

Harry já tinha tomado banho. O colocaria em um quarto trancado pra não sair e atacar ninguém novamente. Ele ainda era novo e estava em transição. Não deixaria Brad ou Cristy se aproximar de Harry. A qualquer momento ele poderia surtar e os mata-los facilmente. 
Coloquei Harry no quarto e eu iria pedir pra Cristy fazer um anel da luz do dia pra ele. Eu poderia fazer, mas ela precisava treinar. 

Eu- Está se sentindo bem?- disse sentando na ponta da cama. 
Harry- Não.- disse ainda fitando o teto.
Eu- Acho que eu te dedo uma explicação. 
Harry- A culpa não é sua- disse se sentando na cama e encostando na cabeceira da mesma. 
Eu- É completamente minha.- ele me olhou curioso.- Se eu não tivesse voltado pra me reencontrar com Louis, você ainda estaria bem.Todos vocês. 
Harry- A culpa pode até ser parcialmente sua, mas é minha também. E de Carole. Eu deveria ter te ouvido. 
Eu- Eu não sei como isso aconteceu.. Vocês estavam protegidos? 
Harry- Como assim?
Eu- Logo que eu cheguei, coloquei um colar de prata com verbena dentro. Era pra proteger vocês de mim e de qualquer vampiro. Eu também coloquei o feitiço pra deixar eles invisíveis logo depois que eu pensei mais um pouco. 
Harry- Tem tanta coisa que me deixa confuso. Me conta essa história toda desde o começo? 
Eu- Claro.. Há 170 anos eu ainda estava na barriga da minha mãe enquanto ela fugia da guerra de Anjos e Vampiros. Bruxas, magos, lobisomens, híbridos, tentavam salvar suas vidas indo para outro canto do planeta. Eles pensavam que estariam á salvo. Meu pai estava na guerra. Ercos.. Um grande anjo. Ele mandou a minha mãe fugir, mas enquanto ela estava no caminho ela foi atacada e morreu, ou estava morrendo. Meu pai sabendo disso, foi atrás dela para pelo menos tentar salvar a minha vida, e ele conseguiu. Mas a minha mãe se foi naquele momento em que ele chegou. Meu pai desistiu de voltar pra guerra para poder cuidar de mim e anos se passaram. 7 anos pra ser mais exata. Daí, para me proteger e me manter viva, Ercos teve que voltar para guerra. Eu entendo o lado dele até hoje..-
Harry- Se você tinha 7 anos, o que você fez? Ficou sozinha pelo mundo?
Eu- Sim. Bom, eu fui para uma pequena cidade daqui que hoje já não existe mais, obvio. Não chegava a ser cidade, mas bem, eu não sei explicar. Por muitos anos eu fiquei sozinha nas ruas e de um lado eu sabia que meu pai e minha mãe ainda cuidavam de mim. Era obrigada a pedir comida e dormir no chão frio durante chuvas, tempestades, ventanias e calor. Com um pouco mais de idade, eu fui para um abrigo e não tinha nada além de um livro velho que o meu pai tinha deixado para mim quando partiu. Mas quando eu completei 17 anos, bom, eu.. Eu fui pra rua ver a cidade. Era o único jeito que eu eu tinha para comemorar o meu aniversário. Mas enquanto eu descia as escadas, uma dor surgiu nas minhas costas e eu rolei escada á baixo. Sim, eu morri. Era necessário morrer para completar a minha transição. Não posso ser um ser vivo e ao mesmo tempo uma anja, como você, não pode ser vivo e um vampiro. As coisas não se batem. 
Harry- E o seu ódio pelos vampiros? Deve ser o mesmo que eu estou sentindo agora. Uma repulsa enorme de mim mesmo, de me olhar no espelho e ver o que eu me tornei. E a sua história com Louis? Não faz sentido. 
Eu- Não faz sentido?- disse rindo.- Você não conhece nem metade da história. 
Harry- Então me diga. 
Eu- Quando eu finalmente tive noção do que havia me tornado eu sai daquela "cidadezinha" e fui morar em um vilarejo. Lá eu conheci Tommo- Harry fez uma cara de surpresa
Harry- Louis Tommlinson.- disse dando ênfase no "Tomm"
Eu- Exato. Então eu e ele tivemos um namoro e logo nos casaríamos. Sim, estávamos noivos. Ele foi a coisa mais linda que eu podia receber na minha vida depois de perder tudo e todos que eu tive- disse sorrindo.- Sabe, ele me amava do jeito que eu era. Até que eu contei pra ele sobre mim. Contei a verdade. A reação dele foi.. De espanto, no começo. Mas ele me aceitou do mesmo jeito que antes. Ele sabia que eu nunca iria fazer nenhum mal pra ele e pras pessoas em volta dele, o que me fazia o amar mais.- Harry sorriu e eu sorri também. 
Harry- Nossa. Amor de vidas passadas?
Eu- Amor de antes da vida.- disse deixando uma lágrima cair. 
Harry- Louis e Tommo são a mesma pessoa?
Eu- São. Eu fiquei meio na dúvida no começo. Mas a aparência é a exatamente a mesma, o jeito de ser, a personalidade, até a voz! Eu procurei pesquisar se isso era possível e, sim, é possível. E foi ai que eu tive certeza. E Louis também vem tendo visões e reações estranhas sobre mim e a nossa vida passada. Ou melhor, a vida passada dele. 
Harry- Como?
Eu- Isso eu já te explico. Continuando. Nesse tempo, tinha uma garota nova no vilarejo também. Lexi Carole. Ela amava Tommo, não como eu, o meu amor por ele ultrapassava o amor de um bilhão de pessoas. Quando ela chegou lá, eu tive certeza de quem era ela de verdade. E ela também. Nunca tive aquela rivalidade dos anjos e vampiros, mas depois eu fui entender o por quê. Vampiros só pensam em si mesmos e se for preciso destruir quem eles amam pra destruir quem eles odeiam, eles o fazem.
Harry- Eu não vou ser assim.. 
Eu- Eu não vou deixar que seja assim. Confie em mim.- ele assentiu com a cabeça.- Enfim. Com tanta inveja e ódio que corria pelas veias mortas de Carole, ela cometeu o maior erro de sua vida. Um dia, Tommo e seu pai foram colher as plantações em um campo, até que eles demoravam demais. Depois de um longo tempo de espera, seu pai aparece com ele morto em seus braços. Morto por um vampiro! Ou, uma vampira. Eu tentei fazer de tudo para trazer ele de volta á vida por algum tempo até conseguir fazer ele sobreviver bebendo do meu sangue, mas eu simplesmente não tinha poder suficiente pra isso. Era nova demais. Mas eu consegui fazer ele voltar á vida por uns minutos. 3 no máximo. Ainda me lembro das palavras dele.. "Obrigado por tentar e confiar em mim, seu segredo vai ficar guardado comigo.. Eu te amo nessa vida e por ter certeza que eu vou te amar em todas as vidas que eu tiver. Pra sempre."- disse repetindo as palavras de Tommo para mim, enquanto secava algumas lágrimas que sismavam em cair do rosto. Ri ironicamente depois- E quando eu finalmente encontro o homem que jurou me amar em todas as vidas que tivesse, aquela sanguessuga asquerosa volta pra fazer da minha vida um inferno. Começando por você- o olhei.- Mas pode ter certeza, Harry, eu ainda vou matar ela. 
Harry- Por que não matou ela no dia em que ela matou Tommo?
Eu- Porque eu jurei que vou faze-la sofrer como ela me fez sofrer. Eu vou mata-la, traze-la de volta a vida, mata-la.. E assim vai. 
Harry- Você falando isso parece uma sádica. 
Eu- Talvez eu seja- disse fazendo meus olhos ficarem pretos. Ele se assustou e eu comecei a rir- Calma, eu não sou assim- disse rindo e ele riu comigo. Mas logo depois ficou sério. 
Harry- E eu?- disse preocupado. 
Eu- Você o quê?
Harry- Eu vou virar um sádico? Assassino? Eu não quero ser isso..
Eu- Harry..-disse me ajeitando na cama, cruzando as pernas e respirando fundo.- Você pode até não virar um sádico, mas.. Um assassino você já é.- ele me olhou triste- Pelo que você me falou, você terminou de matar aquele casal. 
Harry- Foi impulso, eu senti uma vontade enorme de.. Sangue- ele disse confuso
Eu- Eu não sei como é essa sensação mas eu te entendendo. Bom, teve uma época que eu não me cansava de matar vampiros. Eu sentia paz quando via eles mortos no chão. Era todo os dias. Todas as noites. Sempre a mesma coisa. É algo incontrolável e que com você é a mesma coisa. Você está em transição e precisa de sangue, mas você pode tentar se alimentar de animais selvagens ou até mesmo com bolsas de sangue. Você não estará matando ninguém inocente.
Harry- Eu não sei se vou conseguir me controlar. 
Eu- É, eu sei disso. Mas eu vou te ajudar sempre, tá?- ele sorriu- Não vou deixar que nada mais aconteça com você- disse me aproximando e o abraçando. 
Harry- E os meninos? E a minha mãe? Como eu vou conseguir ficar com a minha mãe ou a minha família?
Eu- Bom, eu posso fazer outro colar de Verbena pra ela e pra todos que você precisar. Os meninos já tem os dele, mas eu estou preocupada com a Carole. Se ela conseguiu tirar o teu, vai conseguir tirar os deles. 
Harry- Minha mãe precisa saber disso?
Eu- Eu acho que.. Não..Não por enquanto e durante um bom tempo. Sua aparência nunca mais vai mudar, você não vai envelhecer. Mas isso dá pra resolver com maquiagem ou até mesmo roupas. E mais ninguém precisa saber, é arriscado demais. 
Harry- E você vai contar pra Louis?
Eu- Vai ser preciso. Eu ainda estou preparando ele psicologicamente pra ele não ter medo de mim ou querer se afastar. 
Harry- O amor de vocês parece ser bem antigo. Vocês vão superar. 
Eu- Concordo.- Harry abaixou a cabeça e eu vi que seus olhos estavam cheios de lágrimas- Harry..- Ele me olhou- Não fica assim.. 
Harry- Eu sou um monstro, SeuNome- disse chorando.
Eu- Eu também sou, mas isso não me faz ter um caráter ruim e ser má com as pessoas. Eu continuo levando a minha vida.
Harry- Uma vida solitária que você levou por mais de 100 anos. Um dia a minha mãe vai morrer e todos da minha família também. Eu vou ficar sozinho no mundo?
Eu- Esse é o preço que se paga.. E você acha que eu fui feliz sozinha? O meu único motivo pra ser feliz agora, ou estar tentando ser feliz, são vocês. Eu nunca tive amigos. Agora eu tenho. Reencontrei o amor da minha vida e eu vou aproveitar até que vocês durem. E esperarei até a próxima de vida de todos vocês. Perdão, esperarei a próxima vida deles. Você vai ficar comigo porque eu sou muito chata- ele riu.- Não quero te ver assim. Acho que já sei o que vou fazer.. 
(PLAY)
Harry- O quê?
Eu- Já andou de avião?- disse me levantando e pegando alguma jaqueta de Brad e tacando em cima de Harry. 
Harry- Já. E pra que isso?
Eu- Agora você vai voar de outro jeito. Vem comigo.- Ele sorriu e se levantou, colocando a jaqueta. 

Descemos as escadas e fomos pra parte de trás da casa, ou seja, a parte da floresta. 

Eu- Cuidado.. Pode acabar batendo em você..- disse me virando e olhando pro céu. A lua estava linda. Em um movimento rápido, abri as minhas duas asas brancas. Rasguei a minha roupa, mas não completamente. Minha blusa ainda estava tampando a parte da frente do meu corpo. Me virei pra Harry e ele me olhava paralisado. Sorri.
Harry- Oh.Meu.Deus- disse pausadamente.- O que mais os anjos fazem?
Eu- Temos poderes psíquicos, tipo ler mentes, poderes naturais também, como os de bruxas, temos bastante força, velocidade.. 
Harry- Eu preferia ser anjo do que vampiro. 
Eu- Pra ser anjo você precisaria nascer anjo.. É como bruxas. Cada ser tem um tipo diferente de "nascer". Lobisomens, por exemplo, tem que acender a maldição. Mas isso não precisa ser explicado agora.- sorri e ele também.- Eu vou voar e vou ficar lá em cima, daí você pula em cima de mim e damos uma volta, ok?
Harry- Como eu pulo?
Eu- É só mentalizar e pular. Se não se sentir seguro, tenta pular de árvore em árvore. Você não vai cair e nem se machucar. 
Harry- Tudo bem- ele parecia ansioso. 

Voei alto, mas não tão alto assim. Fui até o final da maior árvore ali, não é tão difícil pra ele. Bom, ele conseguiu. 

Harry- Nossa..-disse ofegante..- É.. Alto.. 
Eu- Tem medo de altura?
Harry- Mais ou menos. 
Eu- Vai ter que perder esse medo.
Harry- Como assim?
Eu- Eu vou voar mais alto- disse rindo
Harry- Não, pelo amor de Deus- ele também riu e eu voei.
Eu-Você quer ir aonde primeiro?- disse praticamente gritando por conta do vento no meu rosto. 
Harry- Na praia. Deve ser lindo. 
Eu- Vamos! 

Voamos até a praia. Demorou um pouco, mas ele estava tão impressionado que eu não me importei com o peso dele. Não me machucava, pra quê reclamar? 
Ele olhou pro mar e então eu cheguei bem pertinho do mesmo. Ele colocou a mão na água e se deitou nas minhas costas. Fiz o mesmo. 

Eu- Quer tomar um banho no mar?
Harry- Pra voltar vai ser difícil?
Eu- Nem um pouco.
Harry- Então eu quero.

Voei até a areia e encostei meus pés no chão. Coloquei minhas asas para dentro de novo em um piscar de olhos e Harry ainda sorria. 

Harry- Isso foi.. A melhor coisa que eu já fiz na minha vida.- Sorri
Eu- Sempre que eu estou triste eu vou voar. É uma sensação de liberdade incrível. 
Harry- Muito.- sorri 
Eu- Estamos perdendo tempo. Vamos logo pro mar!- disse correndo pro mesmo e Harry também correu. Não como um humano, mas como um vampiro.- Isso não vale!- dei a mesma corrida que ele, o ultrapassando. Sou mais velha, tenho mais velocidade. Mas ele conseguiu me alcançar ainda na areia molhar e me pegar, me tacando no mar. Foi tão rápido que eu nem percebi.- Sem graça!- disse saindo do mar, correndo atrás dele. A corrida dele era rápida, então eu dei um pulo e parei na frente dele.- Perdeu- disse pegando ele no colo também e o tacando no mar. Ficamos na água por um tempo, até que ficamos boiando um pouco na água pra descansar. 
Harry- Obrigado
Eu- Por o quê?
Harry- Eu consegui ver que eu não vou ser completamente infeliz enquanto ter você. E vai ser você que vai ter que me aturar por muito tempo.- disse rindo. 
Eu- Se você não desistir de mim antes- rimos. 

Sim, estava nascendo uma amizade linda. 

Harry- Sabe.. Eu queria poder dar uma surra na Lexi.. 
Eu- Não seja impulsivo. Ela é anos mais velha que você e pode te matar quando quiser.- O clima ficou sério- Deixa que eu bato nela pra você- rimos. 
Harry- Se eu tivesse a força que você tem eu não perderia mais tempo, já teria matado ela faz tempo. 
Eu- E você pensa que eu também não quero? Você sabe quando a escola foi completamente destruída? Parede quebrado, armário amassado..
Harry- Sei. 
Eu- Então. Foi eu e a Carole brigando- disse rindo.- Eu ia matar ela, mas eu não consegui. Estava fora de mim. Então eu acabei deixando ela presa á um cabo de vassoura presa na parede com o pescoço quebrado- rimos
Harry- Eu não quero ir pra escola. Pelo menos não durante um tempo.. Eu não sei se eu vou conseguir me controlar. 
Eu- Eu também acho. Acho melhor você nem ficar em casa pra acabar não machucando ninguém. 
Harry- Posso ficar com você?
Eu- Claro. Eu vou tentar fazer com que você consiga se adaptar aos humanos.. 
Harry- Será que eu vou conseguir?
Eu- Obvio que vai, não é tão complicado.. Mas pra você que ainda é novo nisso, vai ser um pouquinho. Mas depois de um tempo você consegue. 
Harry- Então..- disse se levantando e ficando na água ainda, me fazendo levantar também- Agora somos amigos?- sorri
Eu- Ou mais que amigos. Muito mais que amigos- sorrimos e nos abraçamos. E não, nenhum de nós levamos pro lado da maldado. Com mais que amigos eu quis dizer melhores amigos, irmãos.. Essas coisas. Ele já sabe que eu amo o Louis e que é coisa de outras vidas. Não teve maldade nenhuma. 

Abri as asas e ele subiu novamente. Voltamos pra casa e então tomamos banho. Depois de tudo pronto, eu fui lá falar com ele. 

Eu- Não abra as janelas de manhã. Seu anel vai estar pronto amanhã, e caso não queria morrer queimado é só me obedecer, sabe. 
Harry- Pode deixar, vó. 
Eu- Vó nada!
Harry- É verdade, 170 anos deve ser tatará da tatará da tatará da tatará vó
Eu- Tá pedindo pra apanhar, Harry Styles?- ele riu
Harry- Ok, vou te obedecer. Amanhã eu ligo pra minha mãe pra avisar que eu to.. Na casa de um amigo. 
Eu- Faça isso. Boa madrugada- rimos 


***
Oieeeeeeeeee. 
Tudo bom?
Estão gostando?
Eu to! 
Eu AMEI escrever esse capítulo. Apaguei, escrevi de novo, pensei, pensei mais e saiu isso! Demorei dias pra fazer. 
É isso. 
#US1DRumoAUmMilhão <3

6 comentários:

  1. OI,tudo bem sim!
    Estou amando continua!!!!!!!!!!!!!
    1zilão de malikisses!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  2. Ai amei li comtinua logo pf

    ResponderExcluir