01 janeiro 2015

2° Temporada - Capitulo onze: couple in water





A festa de casamento estava sendo bem animada para os convidados. Alguns em exceção, como eu, permaneciam sentados e entediados. Eu fuçava na comida mas sem apetite nenhum, nem mesmo sabia o que eu estava fazendo ali. Jake estava novamente com Philiph rodeando todo parâmetro e olhando desconfiadamente para todos os convidados. Me recostei sobre a cadeira e cruzei as pernas, balançando-as de ansiedade para que, aquela festa acabasse. Louis logo se sentou em minha frente. Estava disperso demais para prestar atenção, até aonde ele havia chegado, que era, perto de mim. Sim, havíamos nos beijado antes de começar a cerimonia, mas depois disto, ele fingia que eu não existia. O que me fervia por  dentro e claro, divertia ele. 

Quando reparou aonde estava, deu um sorrisinho sínico em minha direção. Revirei os olhos em reprovação, raivosa demais para esquecer sobre nossa separação e fingir que ele era o cara mais amável do planeta terra. Antes mesmo de pronunciar algo, Maria veio como um relâmpago e sentou-se ao lado dele. 



– Você está ai. – disse ela, sorridente. Ele não teve tempo de reagir, então ela puxou seu rosto e o beijou com gosto. Louis não hesitou, apenas me olhou e 
sorriu. – Ah, oi seunome. – sorriu sínica. 





Que ódio dessa garota idiota, nossa. Sai dali furiosa e batendo o pé. 


Louis povs



Seunome saiu dali soltando fumaça pelas narinas. Ah, mas ela tinha razão, que ideia foi essa da Maria vir e me beijar do nada ? Nunca havíamos nos beijado antes. Quero dizer... senti saudades, claro, esperei por muito tempo para beija-la já que achava que ela estava morta. Mas agora amava outra menina.

– Depois do casamento vamos aonde ? – disse, ela.
– Nós não iremos a lugar nenhum – respondi firme.
– Porque está falando isto ?
– Precisava me beijar Maria ? Na moral, desnecessário fazer isso... – disse eu, furioso.
– O que foi agora ? – resmungou – É por causa daquela sua irmãzinha ?
– O que ? Claro que não – neguei.
– Não precisa fingir Louis, eu já sei das coisas bizarras que vocês dois fazem juntos. E pode ir tirando o seu cavalinho da chuva, se acha que eu vou deixar você ir embora assim, do nada... – impôs.
– Por acaso você é minha dona agora ?
– Posso até não ser, mas você sempre foi meu e eu cheguei aqui primeiro. Então se você não for ficar comigo, não vai ficar com mais ninguém. – respondeu e se levantou.
– Louis ? – disse minha mãe – Do que ela estava falando ?
– Nada mãe, só uma crise de tpm – bufei furioso.


Voltamos para casa um pouco mais tarde do que eu imaginava. Estava sem sono nenhum aquela noite. Eu beijei a seunome depois de tanto tempo, Maria quer ser minha dona e agora eu estou me sentindo divido. De todos os sentimentos que eu já evitei sentir, esse de ficar divido é o pior. A única vez que eu me senti assim foi quando meu pai e minha mãe estavam resolvendo se separar. E lembrar disso é uma das piores coisas.


Quando todos já haviam dormido, resolvi vestir minhas coisas e ir dar um mergulho. Philiph e Jake dormiam pesadamente, o que eu achei muito bom, já que não queria saber de nenhum irmãozinho nem namoradinho chato, enchendo meu saco. Desci as escadas e passei direto para a piscina. Parei sobre a beira dela e experimentei a temperatura, molhando meu pé primeiro. Depois, esvaziei a mente e saltei. Pensei nela, em como ela estaria ali comigo. Seus cabelos, agora negros, sendo massageados por meus dedos. Seus lábios pressionados aos meus e a adrenalina de tocar seu corpo. Voltei a superfície já com a falta de folego. Abri meus olhos e olhei para frente. Me surpreendi quando à vi parada na beira da piscina. Ela não sorria nem dizia nada, apenas me encarava. Mergulhei novamente e ela saltou, se encaixando em meus braços fortemente. Tomei seus lábios sem medo de ser empurrado, ou de apanhar dela... o que pela minha surpresa, não aconteceu.



Seuapelido... quando a Ma... – ela empurrou meu ombro e balançou a cabeça negativamente.
– Acho que não é sobre isso que precisamos conversar. Não agora. – seus olhos estavam marejados.
– Sobre o que quer conversar então ?
– Sobre sentir a sua falta – seus lábios então estremeceram. Limpei suas lágrimas levemente e a puxei para um abraço apertado.
– Seu pai pode...
– Eu não estou nem ai pra porra do meu pai agora Tomlinson – disse fanha – Só fica comigo, só te peço isso.
– Tudo bem – eu ri de sua atitude.



Geralmente, ela não dizia palavrões tão calma, mas dessa vez foi diferente. Assim como o abraço dela também foi. Ela parecia querer algo para preenche-la e quando a abracei, a tensão de seus ombros sumiram. Era tão bom poder confortá-la... Nos sentamos no chão da sala de lazer, no canto da mesa de sinuca. O que tampava a visão, caso o pai dela aparecesse por lá. Havíamos pegado guaraná, pizza e um resto de bobeiras que tinha na geladeira. Seunome  mesmo não havia comido quase nada. 






– Não vai comer nada ? – mordi meu hambúrguer. Ela remexia em seu prato, que continha um pedaço de pizza.
– Acho que não estou com fome – riu sem humor. Afastou o prato e abraçou as pernas.
– Seunome ... – ela me encarou – Está se alimentando direito ?
– É. – não confiei muito em sua resposta – É uma nova dieta, nada demais.
– Não gosto dessas dietas malucas e você sabe disso – a repreendi.
– Mais agora é o meu trabalho, e seu eu comer um misero pedaço dessa pizza, nunca mais vou entrar nos modelitos de 40cm de cintura. – explicou de uma forma divertida, quero dizer, não era divertido.
– Você tem um corpo tão lindo, pra que ficar fazendo essas dietas malucas ? – segurei seu rosto – Isso pode levar a ano...
– Ai que saco, para. – bufou.
– Desculpa, nossa.
– É que todo mundo fica querendo se meter na minha vida, achando que tudo é exagerado demais. Eu sei o que é certo e pronto – quase gritou.
– Tudo bem, não vamos falar mais nisso, ok ? – puxei seu rosto para mim. – Acho que já esta tarde demais para ficar aqui.
– Também acho, e já esta frio – passou a mão sobre os braços.

– Quer que eu durma no seu quarto ? – perguntei sem medo. Ela não respondeu de imediato mas logo depois assentiu, assim, subimos.  





Era tão bom poder senti-la novamente, poder toca-la de todas as maneiras. Mesmo que amanhã nós fingirmos que nada disso aconteceu, hoje, valeu a pena.  




Eitá moçada, a temporada já está chegando ao fim :( 
bjs, elisa. 

Um comentário:

  1. Oii, Ola! Sou Lívia, não sou leitora nova, no minimo fantasma! haha
    Continua! Ta perfeitooo seu imagine! hahaha

    BjooBjoo, <3 <3 <3

    ResponderExcluir